RSS

Estúdio Foco - mais um cinema abandonado



De regresso à Invicta e aos seus cinemas do passado. Desta vez vou escrever sobre o Estúdio Foco, localizado na Rua Afonso Lopes Vieira, n.º 54, inserido no Parque Residencial da Boavista.

Este cinema, com caracteristicas de sala estúdio, por ter capacidade para somente 428 pessoas, foi inaugurada em 1973. 
Embora tendo menos espaço, o conforto era imenso. As cadeiras eram do tipo mecânico, que baixavam de acordo com o peso de cada espectador.


A sala estava equipada com projectores Phillips de 35 e 70mm, que ainda se encontram dentro do malfadado cinema atualmente.
O tecto da sala com acústica propria, foi estudada para melhorar o comportamento sonoro e o revestimento era absorvente. As paredes de madeira faziam uma caixa de ressonância com o betão das paredes exteriores. 


Para além da sala em si, foram previstos camarins e um escritório. A entrada no cinema era feita por um amplo foyer.
Passava filmes mais selectos, tendo Lauro António sido o director de programação deste cinema, o que contribuiu para o seu sucesso. Na década de 1990, e com o encerramento de vários cinemas no Porto, o Estúdio Foco manteve-se aberto até 1993.

Atualmente, encontra-se encerrado e abandonado, mantendo a plateia e o equipamento, que se encontram em muito mau estado devido à humidade.



Fontes: 

ALECRIM, Inês Sofia Teixeira Sousa, O Grande Parque Residencial da Boavista 1962-1973, Dissertação de Mestrado, FAUP, Porto 2013-2014

- http://cinemaaoscopos.blogspot.com/2013/04/estudio-foco-porto.html

- https://jpn.up.pt/2013/05/19/porto-ha-salas-de-cinema-fechadas-ha-mais-de-20-anos/


Odeon: uma nova habitação de luxo


Depois de uma viagem pelo Alentejo, regresso à minha capital, Lisboa. Desta vez, irei relatar a história de um cinema, outrora grandioso, mas que atualmente era um edificio em definhamento total (tal como o malfadado Paris). Estou a falar do Odeon, localizado nas traseiras do antigo cinema Condes (hoje Hard Rock Café).

As crescentes exigências relativamente à segurança e o conforto do público, aliadas aos novos requisitos técnicos que o cinema sonoro necessitava, influenciaram a modernização de antigas salas. O novo regulamento dos teatros, publicado em 1927, impôs um conjunto de regras obrigatórias que refletia a sistematização progressiva da noção de "espectáculo cinematográfico" e os novos procedimentos que as salas deveriam adoptar. A partir daqui, eram exigidas licenças de funcionamento após a aprovação dos projectos e das respectivas vistorias. Também era obrigatório o registo prévio do exercicio da actividade e a existência de uma autorização, sob a forma de "visto", para a realização de cada espectáculo.
Também começaram a existir normas específicas que levaram à alteração drástica da organização interior das salas. O imperativo do espaçamento entre cadeiras, de pelo menos 30 centrímetros; a obrigatoriedade de existir uma coxia central na plateia e nos balcões e a imposição de serem também introduzidas coxias laterais, com uma largura mínima de 70 centrímetros, para não falar da largura obrigatória para as escadas de acesso e das medidas que deveriam ser tomadas reltivamente à iluminação suplementar e bocas-de-incêndio, eram normas que iriam dificultar a continuidade da grande maioria dos recintos. Assim, estes postulados levaram à modernização das salas, bem como seriam empregues nos novos cinemas construídos de raiz.

No local exacto da Drogaria Ferreira, importante estabelecimento fundado em 1755, após o terramento que destruíu metade de Lisboa, entre a Rua dos Condes e a Rua de Santo Antão, foi edificado o Cinema Odeón, que era para se chamar Cinema Iberia.



Para a sua construção, foi constituída uma empresa denominada Parisiana Limitada, com os sócios Anastácio Fernandes, proprietário da referida drogaria, Augusto Correia de Barros, antigo dono da drogaria, mas proprietário do terreno, Dr. Eduardo Fonseca, médico oftalmologista, e o pintor Matoso da Fonseca, que seria o futuro director-gerente do cinema.
Após quatro anos de construção laboriosa, ocinema foi inaugurado a 19 de setembro de 1927. Estiveram presente no evento entidades oficiais, imprensa, elementos das relações da empresa, entre outros.



Havendo, oportunamente, firmado contrato com a Metro-Goldwyn Mayer, este cinema abriu as portas ao público dois dias depois. O filme de estreia foi "A Viúva Alegre", de Eric von Stroheim, com Mai Murray e John Gilbert, e que René Bohet, o director da orquestra privativa, sublinhou musicalmente com segurança e o brilho a que viria a habituar o público.


Até ao inicio da epóca de 1929-1930, o cinema foi gerido pela sua empresa proprietária. Contudo, uma nova empresa viria a gerir o mesmo: Salm, Levy Junior & Companhia. Esta empresa geria a Companhia Cinematográfica em Portugal, pioneira da distribuição cinematográfica no país e orientada pelo cinematografista Salomão Levy Jr. Depois da passagem de René Bohet para o Teatro São Luiz, onde seria o responsável pela sua orquestra, seria anunciado que Juan Fabre seria o novo director da orquestra do Odeón.
Em 1937, a exploração deste cinema seria detida por Vicente Alcântara que, como J. Castello Lopes e outros, iniciara a sua actividade no cinema como empregado da Companhia Cinematográfica de Portugal. Ele iria gerir este cinema durante muitos anos, como também os cinemas Palácio e Royal.
Os preços dos bilhetes eram por volta de 1930: camarotes de balcão, 20 escudos; camarotes de 1ª ordem, 20 escudos; camarotes de 1ª ordem, lado: 15 escudos; maples, 8 escudos; 1º balcão, 1ª fila, 6,50 escudos; outras filas, 6 escudos; 2º balcão, 1ª fila, 4 escudos, outras filas, 3,50 escudos.

O  autor do projecto deste cinema foi o construtor Guilherme A.Soares. A capacidade era de 691 espectadores, distribuidos pela plateia, dois balcões e camarotes, sendo um deles suspenso.






O conjunto da sala de espectáculos era formado por um tecto em forma de quilha de um navio, em madeira de "pau brasil",e que se encontra intacto até hoje, depois de anos de abandono; pelo lustre alemão de néons gigantes; pelo luxuriante palco com moldura e frontão em relevo Art Deco; pela complexa teia do palco, com o seu pano de ferro; e pela série de camarotes, galerias e balcões em andares, compondo um exemplar único, o último existente em Portugal.



Pela tela deste cinema passaram clássicos do cinema mudo e sonoro,a preto e branco ou a cores, de Fritz Lang a Tod Browning, passando por George Cukor e Frank Capra.Pelo seu palco passaram inúmeros artistas como Laura Alves, Lola Flores, Hermínia Silva, entre outros.



Até António de Oliveira Salazar, Presidente do Conselho entre 1933 e 1968, tinha um camarote cativo neste cinema, até 1970.




Na década de 1960, e por uma questão estratégica de mercado, dedicou-se à projecção de filmes espanhóis e mexicanos, garantindo o seu sucesso comercial ao preencher um nicho de mercado de aficionados espectadores.
Na segunda metade da década de 1980, este cinema iria exibir filmes pornográficos, até que encerrou definitivamente em 1993.



Durante vinte e cinco anos, este cinema foi definhando por dentro e por fora, tal como o Cinema Paris. A luta pela sua preservação foi encetada por Paulo Ferrero, líder e fundador do fórum "Cidadania LX", que tem sido encansável na defesa do património lisboeta. Foi ele que iniciou o processo de classificação deste edificio no IGESPAR, entre 2005 e 2009, tendo o pedido sido revogado em 2010, acabando com o processo.














No entanto, a Câmara Municipal de Lisboa e a Direcção-Geral do Património já decidiram o futuro deste cinema, que vai ser reconvertido em restaurante e dez apartamento de luxo, com estacionamento subterrâneo robotizado, num total de 2750 metros quadrados. O projecto é promovido pela imobilária Odeon Properties, que comprara o edificio em 2016. Este projecto será da autoria do Arq.º Samuel Torres de Carvalho, conhecido pelos hóteis Memmo em Alfama e no Príncipe Real. As obras irão começar em julho, conforme previsão de Julien Dufour, um dos sócios da Odeon Properties, e com data prevista de término em 2020.



Fontes:

- RIBEIRO, M. Félix, Os mais antigos cinemas de Lisboa, 1896-1939. Lisboa, Instituto Português de Cinema/Cinemateca Nacional, 1978

ACCIAIUOLI, Margarida, Os Cinemas de Lisboa – Um fenómeno urbano do século XX, Lisboa, Editorial Bizâncio, 2012

- https://restosdecoleccao.blogspot.pt/2013/02/cinema-odeon.html

- https://observador.pt/2018/04/23/habitacao-de-luxo-e-restaurante-futuro-do-cinema-odeon-comeca-em-junho/


Imagens:
https://restosdecoleccao.blogspot.pt/2013/02/cinema-odeon.html

http://ruinarte.blogspot.pt/2016/10/o-cine-teatro-odeon-lisboa.html

- https://observador.pt/2018/04/23/habitacao-de-luxo-e-restaurante-futuro-do-cinema-odeon-comeca-em-junho/

Cinemas do Paraíso: Beja


Olá, caros cinéfilos!

Hoje vou viajar até ao Alentejo (por influência de uma pessoa muito especial para mim), mais concretamente a Beja.

Esta cidade, capital da região do Baixo Alentejo, cuja antiga designação (na época de dominio romano) foi Pax Julia, também se cruzou com essa maravilhosa arte que é o cinema.

A Sociedade Filarmónica Capricho Bejense, localizada na Rua da Moeda, nº 10,  foi fundada a 15 de julho de 1916, com o objetivo social de manter uma banda filarmónica e uma acção cultural e recreativa. Ao longo de 101 anos de existência, esta entidade permitiu que os bejenses pudessem ver uma peça de teatro, televisão, concertos musicais, leitura de livros e, claro, assistir a uma sessão de cinema. A informação que eu tenho é que no 1º andar desta sociedade ocorriam as referidas sessões de cinema, devido ao encerramento do Cine-Teatro Pax Julia na década de 1990, pelo que esta entidade figura neste post.


Outro espaço emblemático de Beja que fez chegar o cinema aos seus habitantes foi o Pax Júlia - Teatro Municipal de Beja, localizado no Largo de São João. A importância histórica deste espaço é indiscutível, visto que, durante décadas, recebeu muitas manifestações culturais. Em meados do Séc. XIX, existia uma intensa actividade cultural em Beja, que requeriam instalações adequadas para o efeito. Assim, e por forma a receber condignamente artistas de renome, um grupo de ilustres habitantes criou a Sociedade Teatral Bejense, que haveria de angariar fundos e levar a cabo a construção de um teatro em 1866.
Contudo, e devido à falta de fundos durante largos anos, só em Dezembro de 1928 é que o espaço foi inaugurado, com a designação Teatro Pax Júlia. A lotação deste teatro era de 400 lugares de plateia, 22 frisas com 5 lugares cada uma, 18 camarotes com 5 lugares cada um, 83 fauteilles (cadeiras) de balcão e 300 lugares de geral, perfazendo o total de 980 lugares. Na inauguração, a Companhia Dramática de Ilda Stichini apresentou as peças "Simone", "O Centenário" e "Os Mosquitos", com os actores Luz Veloso, Rafael Marques, Gil Ferreira, Luiz Filipe, entre outros.




No entanto, este espaço tornou-se obsoleto e precisava de ser encerrado, de modo a sofrer obras profundas de remodelação. Mas, mais uma vez, a falta de dinheiro, dificultou o avanço das obras, mas a Sociedade Teatral Bejense conseguiu solucionar o problema. Foram feitos alguns melhoramentos ao edificio, que reabriu em 1952 com a designação de Cine-Teatro Pax Julia. 
Nesta 2ª fase, o espaço continuava com a lógica de apresentação de sessões de cinema e, mais esporádicamente, de espectáculos teatrais e musicais com figuras consagradas, como Amélia Rey Colaço e Robles Monteiro. Depois do 25 de Abril de 1974, o Pax Julia foi vendido à empresa Lusomundo que programava, essencialmente, cinema. Por vezes, a sala era cedida para apresentação de outros espectáculos. Na década de 1980, actuaram vários artistas famosos neste espaço, como Rui Veloso, Herman José, Grupo Trigo Limpo, entre outros. Em 1990, viria a fechar portas durante mais de uma década, onde foi votado ao abandono.



Em 2005, a Câmara Municipal de Beja comprou este espaço à Lusomundo, tendo sido efetuadas obras de melhoramento e a construção de novas valências. A 17 de Junho do mesmo ano, o Pax Julia foi reinaugurado como Pax Júlia - Teatro Municipal de Beja. 



Nesta nova reincarnação, que se estende até à actualidade, a constituição deste espaço resume-se a um largo auditório, dividido em plateia e balcão, com a lotação de 622 lugares.



A Sala Estúdio é um espaço multidisciplinar, que complementa o auditório, onde os 150lugares disponíveis possibilitam a realização de espectáculos de média dimensão.


A cafetaria que cria um ambiente propício a espectáculos mais pequenos, para além de ponto de encontro para o público.


O foyer é um local de acolhimento, amplo e luminoso, que favorece a tertúlia num ambiente acolhedor, bem como recebe exposições frequentemente.



Por fim, vem o Cinema Melius, localizado na Avenida Fialho de Almeida, e que está incluido no hotel com o mesmo nome. Este espaço de 218 lugares foi inaugurado em 1995 e, ao contrário da tendência de muitas salas de cinema, o seu número de espectadores tem vindo a crescer nos últimos anos, graças à constante modernização feita no mesmo. Os donos desta sala seguiram umcaminho que começou pelo tradicional 2D, passando pelo digital e, mais tarde pelo 3D e IMAX.







Fontes:
- https://issuu.com/camaramunicipaldebeja/docs/boletim_agosto_2016
- https://www.igogo.pt/sociedade-filarmonica-capricho-bejense/
- http://www.cm-beja.pt/viewcidade.do2?numero=2023
- http://www.cm-beja.pt/viewcidade.do2?numero=1923
- http://cinemaaoscopos.blogspot.pt/2015/12/melius-beja.html

 
Copyright 2009 Cinemas do Paraíso. All rights reserved.
Free WordPress Themes Presented by EZwpthemes.
Bloggerized by Miss Dothy